DESENVOLVIMENTO DE UMA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA AUTOMÁTICA E DIDÁTICA DE BAIXO CUSTO

Leanderson Marcos da Silva Paiva, Luiz Eduardo Fontes Mello de Almeida, Arídio Schiappacassa, Almir Venancio Ferreira, Aldecir Alves de Araújo

Resumo


Estações meteorológicas automáticas são robôs desenvolvidos para substituir o trabalho realizado pelos observadores meteorológicos nas estações meteorológicas convencionais e para permitir que medidas sejam feitas em áreas remotas. Uma estação automática é basicamente constituída por uma caixa de guerra à prova das intempéries que contém data logger, regulador de carga, bateria recarregável, dispositivo de telemetria, painel solar e sensores meteorológicos. A configuração das estações depende da finalidade e o mercado impõe custos elevados para aquisição, mesmo para sistemas educacionais vinculados às redes públicas. Como a educação profissional técnica de nível médio é caracterizada por um processo contínuo e permanente associado às novas tecnologias que precisam ser incorporadas nos sistemas educacionais, em consonância com as demandas tecnológicas-industriais e sociais, nós temos como objetivo desenvolver uma estação meteorológica automática e didática de baixo custo utilizando placas eletrônicas microcontroladoras dentro do universo escolar. Resultados preliminares indicam que a nossa estação meteorológica automática e didática responde bem às expectativas quando os dados de temperatura e umidade são analisados.

PALAVRAS-CHAVE: Estação Meteorológica. Arduino.


Referências


CAVALCANTI, M.M., SILVA, J.L.S., VIANA, E.C., DANTAS, J.R., A Plataforma Arduino para fins didáticos: Estudo de caso com recolhimento de dados a partir do PLX-DAQ, XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 out 2016.

DRAGHICI, I.F., NECCO, G.V., RIDDAWAY, R.W., SNOW, J. T., BILLARD, C., OGALLO, L.A., Organización Meteorológica Mundial, Directivas de Orientación, La Enseñanza Y Formación Profesional Del Personal En Meteorología e Hidrología Operativa, Volumen I: Meteorología, cuarta edición, OMM, n. 258, 2001.

HANNA, S.R., 1994, Mesoscale meteorological model evaluation techniques with emphasis on needs of air quality models, In: Pielke, R.A., Pearce, R.P. (Eds.), Mesoscale Modelling of the Atmosphere, American Meteorology Society, Boston Massachusetts, pp. 47-62.

VAREJÃO-SILVA. M.A., Meteorologia e climatologia, Brasília, Instituto Nacional de Meteorologia, 2000.

WILLMOTT, C.J., 1981, On the validation of models, Physical Geography, Vol.2, pp. 184–194.

WILLMOTT, C.J., 1982, Some comments on the evaluation of model performance, Bulletin of the American Meteorological Society, Vol.63, pp. 1309–1313.

WILLMOTT, C.J., MATSUURA, K., Advantages of the mean absolute error (MAE) over the root mean square error (RMSE) in assessing average model performance, Climate Research, Vol.30, pp. 79–82. 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 out 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço postal

 

Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes Pró-Reitora de Extensão Coordenação Editorial da Revista Intercâmbio

Av. Ruy Braga, Predio 05, Sala 210, Campus Universitário Prof. Darcy Ribeiro CEP: 39401-089 - Montes Claros / MG

 

Contato Principal

Jussara Maria de Carvalho Guimarães
Telefone: (38) 3229-8160
E-mail: revista.intercambio@unimontes.br

Daniela Imaculada Pereira Costa
Telefone: (38) 3229-8160
E-mail: revista.intercambio@unimontes.br

Secretário Executivo

Icaro George Lanzarini Pimentel
Telefone: (38) 3229-8300
E-mail: revista.intercambio@unimontes.br